quinta-feira, outubro 30, 2014

Na semana em que Dilma se reelege, a confirmação da crise na economia do país



Governo prepara reajuste da gasolina

 

 O governo espera acalmar o mercado financeiro com o anúncio, em breve, do reajuste dos preços dos combustíveis, informou uma fonte no governo. Em uma só tacada, a ideia é aplacar o mau humor do mercado e atender às necessidades de recomposição de caixa da Petrobras. A reportagem apurou, porém, que o reajuste deve ser menor do que vem pedindo a presidente da petroleira, Graça Foster, nos últimos meses.


O Palácio do Planalto ainda não bateu o martelo sobre o "timing" do aumento de preço, mas o tema está na pauta da reunião do Conselho de Administração da companhia, da próxima sexta-feira, dia 31. O Ministro da Fazenda, Guido Mantega, já antecipou que aumentos de preços ocorrerão ainda em 2014, seguindo a tradição de conceder ao menos um reajuste a cada ano. Dentro do conselho da empresa, no entanto, não há um consenso de que este seja o melhor momento.

"Os preços estão ajustados ao mercado internacional, não tem defasagem. Será que o governo vai reajustar com a inflação do jeito que está? A justificativa era a defasagem, agora não acho que o governo arriscaria a meta da inflação. Só vamos saber na 6ª-feira", avaliou o conselheiro Silvio Sinedino, que representa os trabalhadores no Conselho.

Ações da Petrobras

Na manhã seguinte ao resultado das eleições presidenciais, a Petrobras divulgou dois comunicados positivos aos investidores, mas, ainda assim, as ações se mantiveram em queda durante todo o dia. Os papéis preferenciais caíram 12,33% e os ordinários, 11,34%.
Antes mesmo da abertura das operações financeiras na BM&FBovespa, ontem, foi anunciada a descoberta de petróleo na perfuração do primeiro poço do supercampo de Libra, o pré-sal da Bacia de Santos.

Fonte: Diário do Nordeste

quarta-feira, outubro 29, 2014

COMUNICAÇÃO


ESTE BLOG TEM LINHA EDITORIAL INDEPENDENTE, E SEU EDITOR PRETENDE CONTINUAR EXERCENDO UM DIREITO QUE A CONSTITUIÇÃO LHE GARANTE. O DA LIBERDADE DE EXPRESSÃO E O DA LIVRE MANIFESTAÇÃO DO PENSAMENTO. POR ISSO, PEDIMOS DESCULPAS AOS QUE NÃO SE HABITUARAM A DEMOCRACIA, MAS O TRABALHO VAI CONTINUAR!

Regulação de rádios e TVs é uma das prioridades do segundo mandato de Dilma

O MESMO QUE DEFENDE A VOLTA DO LULA EM 2018


São Paulo – Presidente nacional do PT, Rui Falcão, afirma que regulação da mídia é a segunda prioridade do governo, após a reforma política

O presidente nacional do PT, Rui Falcão, concedeu uma entrevista aos principais veículos de comunicação, tratando sobre a reeleição da presidente Dilma Rousseff e os próximos passos do governo. Além da reforma política, a “regulação da mídia” é indicada como uma das prioridades do segundo mandato de Dilma, assunto que é abordado pelo PT desde o governo do ex-presidente Lula. Falcão afirma que o partido continuará insistindo para a regulação da mídia e considera a pauta que só perde em importância perante a reforma política, apesar do tema não aparecer com destaque durante a corrida eleitoral.

Falcão afirmou que a proposta para democratização da mídia se dirige às empresas de radiodifusão e não inclui jornais e revistas e reforçou que não tem a intenção de censurar os veículos, ficando restrita às emissoras de rádio e televisão. “Sobre a democratização dos meios de comunicação, que não afeta a mídia impressa, a Constituição prevê em seu artigo 220 a mais ampla liberdade de expressão do pensamento. Agora, o mesmo item que trata da comunicação social proíbe a existência de oligopólios e monopólios na comunicação”, disse durante a entrevista coletiva concedida ontem (27) na capital paulista. “Considero a mais importante depois da reforma política. 

Espero que nosso governo, junto com o Congresso, possa avançar nessa direção, assim como a maioria dos países democráticos tem agências reguladoras, como a Inglaterra”, afirma Falcão.

O presidente do partido também apontou que o projeto apresentado pelo ex-ministro Franklin Martins pode ser “um bom ponto de partida” para que o processo de reforma da mídia seja discutido.

 Porém, Falcão também afirma que existe uma dificuldade de obter essas alterações em relação à mídia via legislativo, já que muitos parlamentares possuem concessões de rádio e televisão. “Um dos pontos é não permitir que aqueles que concedem possam conceder para si mesmos”, disse, ressaltando que, para isso, será preciso criar um mandato de transição.

Hoje o Ministério das Comunicações é comandado por Paulo Bernardo, período tem como marca o decreto que iniciou o processo de migração das rádios AMs para as faixas de frequência do dial FM, assinado por Dilma Rousseff em 7 de novembro do ano passado.

O Tudo Rádio seguirá acompanhando os detalhes dessa intenção de regulação das concessões de rádios e televisões, conforme surjam mais discussões de detalhes desse processo.


(Tudorádio.com)

José Guimarães diz que PMDB é um fardo pesado. Ele defende revisão da coalizão


“Sou da tese de que essa coalizão precisa ser revista”, afirmou, nesta terça-feira, o vice-presidente nacional do PT, deputado federal José Nobre Guimarães, durante entrevista à Rádio Cidade AM de Fortaleza. Na disputa sucessória, lembrou que muitos peemedebistas não apoiaram a reeleição da presidente.

O parlamentar não poupou: “É um fardo pesado e essa coalizão terá que ser analisada.” Ele disse que não sabia qual a fórmula a ser adotada nesse processo, mas defendeu que a base aliada de Dilma seja até menor, mas coesa e comprometida.


Para Guimarães, um outro dado: o Congresso que foi eleito, pelo perfil, é um dos piores da história” da Casa, porque muitos parlamentares comprometidos com suas lutas, acabaram não reeleitos, enquanto outros sem projetos ganharam espaço.  Ele afirmou não aceitar que 28 partidos atuem num Congresso apenas por atuar, enquanto são poucos aqueles que, de fato, apresentam projetos ou querem influenciar no cenário político.

Reação - PMDB DERRUBA DECRETO BOLIVARIANO DE DILMA


A Câmara dos Deputados reagiu e, enfim, derrubou nesta terça-feira o decreto bolivariano da presidente Dilma Rousseff, destinado a criar conselhos populares em órgãos da administração pública. A matéria foi assinada no final de maio em uma canetada da presidente e foi alvo de críticas de juristas e parlamentares. O Senado ainda tem de avaliar o projeto de decreto legislativo para que a determinação do Planalto seja suspensa.

A derrubada da matéria é uma reivindicação antiga da oposição e se deu dois dias após as eleições, indicando a turbulência que Dilma encontrará no Congresso no novo mandato. “Essa derrota é para mostrar que o discurso de conversa com o Congresso não poder ficar só na teoria”, resumiu o deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA).

Tão logo foi apresentado, no início de julho, o projeto que sustava o texto palaciano teve adesão maciça de partidos de oposição e da base, contando inclusive com o apoio do PMDB, maior aliado do governo. Na Câmara, a matéria ganhou regime de urgência, o que permitiu que fosse direto ao plenário antes de tramitar pelas comissões. O projeto de decreto legislativo que pedia a suspensão da canetada de Dilma foi pautado nesta terça por Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), presidente da Casa que saiu derrotado na disputa ao governo do Rio Grande do Norte. Alves credita sua derrota à falta de apoio da presidente Dilma e ao fato de que o ex-presidente Lula chegou a participar da propaganda eleitoral do adversário Robinson Faria (PSD), eleito para o governo potiguar. Durante a sessão, o presidente convocou os deputados para que se mantivessem no plenário e garantissem a aprovação do texto. A derrubada do decreto foi aprovada em votação simbólica.


Fonte: Veja

segunda-feira, outubro 27, 2014

“Desde os tempos de Cristo, o povo prefere ladrão”, diz Malafaia sobre vitória de Dilma


"Desde os tempos de Cristo, o povo prefere ladrão", diz Malafaia sobre eleições
O pastor Silas Malafaia lamentou a reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT) e escreveu um texto em seu perfil do Facebook fazendo uma ligação com a escolha do povo judeu em soltar Barrabás e condenar Jesus.

“Lamento dizer que, desde os tempos de Cristo, o povo prefere ladrão. Soltaram Barrabás e condenaram Jesus. Hoje, não é diferente!”, escreveu o pastor.

Durante todo o período eleitoral Malafaia se posicionou contra o PT e fez alertas à população sobre as ameaças que o governo petista representa à democracia, para os cofres públicos, para os bons costumes e para a fé cristã.


No Twitter o pastor evangélico acompanhava a apuração dos votos e comentou a escolha de 52% da população brasileira em três mensagens: “Dilma venceu! Preparem-se porque os corruptos vão continuar reinando no Brasil!”, “Dilma venceu. Quem perdeu foi o Brasil!” e “Dilma venceu. Que Deus tenha misericórdia do Brasil!”.

Com maioria no interior Camilo vence a eleição, Eunício vence na capital, mas não foi suficiente


Camilo Santana também venceu em Lavras Da Mangabeira, terra de Eunício Oliveira

O candidato eleito para governar o Ceará durante os próximos quatro anos, com 53,35% dos votos, Camilo Santana (PT) obteve uma expressiva votação no interior do estado. Já Eunício Oliveira (PMDB), segundo colocado na corrida pelo Palácio da Abolição, conquistou a maioria dos votos no maior colégio eleitoral do Ceará: a capital alencarina.


No turno decisivo, Camilo Santana superou os 2,4 milhões de votos e 60% da preferência dos eleitores em 74 municípios. Destaque para o resultado obtidos no Crato (83,09%), em Jardim (82,03%) e em Jati (80,63), cidades, todas do Sul Cearense, em que o petista rompeu a barreira dos 80% dos votos.  No total, Camilo foi vitorioso em 149 municípios.

Já Eunício obteve pouco mais de 2,1 milhões de votos, sendo cerca de 700 mil oriundos de eleitores fortalezenses. O candidato do PMDB conquistou 57% dos votos na capital. As votações mais expressivas foram anotadas nos municípios de Varjota (71,42%) e Parambu (69,28). O senador foi o mais votado em 35 municípios.

Resultado nas 'terrinhas'

A coligação "Para o Ceará seguir mudando", composta por 18 partidos e liderada por Camilo Santana, saiu vitoriosa nas cidades de nascença de seus principais personagens. Sobral, terra de Cid Gomes e Izolda Cela (vice-governadora na chapa) e Barbalha, reduto do petista, foram favoráveis à coligação.

Do outro lado, Maracanaú, cidade na qual Roberto Pessoa (candidato a vice-governador na chapa de Eunício Oliveira) já governou em duas oportunidades, reservou 62.71% dos votos para a coligação "Ceará de Todos".

O resultado mais surpreendente veio de Lavras Da Mangabeira, terra natal de Eunício, no Centro Sul cearense. No município, Camilo bateu o peemedebista com 51,73% dos votos.

Disputas acirradas


Em 19 cidades do interior do estado, a diferença entre os dois candidatos foi inferior a 4% dos votos válidos. A disputa foi ainda mais apertada nos municípios de Cascavel, Carnaubal e Frecheirinha. Neste último, Camilo saiu vitorioso com apenas 97 votos de diferença.

Professor Kléber Teixeira faz sua análise do resultado da eleição no Ceará e no Brasil

Bipolaridade - MÁQUINA PÚBLICA FUNCIONA, MAS BRASIL E CEARÁ ESTÃO DIVIDOS


Com os resultados já definidos, Dilma Roussef foi reeleita presidente da República. No Ceará, Camilo Santana foi eleito pela mãos de Cid Gomes. Em ambos os casos a vitória foi apertada por uma margem histórica de menos de 4% de maioria.

As urnas deixaram recados: a máquina pública já não é tão segura assim e os projetos políticos de Dilma/Lula e dos irmãos Ferreira Gomes são questionáveis.

Existe um fosso no Ceará e no Brasil. Não há quem negue.

No Ceará ficamos com os Aquários, o desdenho com a educação em nível superior e a insegurança. No Brasil ficamos com o baixo crescimento, com a corrupção da Petrobras e com uma inflação que ameaça, sem esquecer de um estado que dá o peixe , mas que não sabe ensinar a pescar.

Viva a Democracia!!!


Blog do KT

SAIBA DAS ARTIMANHAS PETISTAS PARA CONTINUAR NO PODER

Adicionar legenda
                                                Click aqui e leia  a matéria completa

Dilma teve maioria dos votos em 15 estados; Aécio em 12


A divisão no resultado das eleições presidenciais refletiu-se nos estados. Das 27 unidades da Federação, a candidata do PT, Dilma Rousseff, venceu em 15 e o candidato do PSDB, Aécio Nevesm em 12.

No Ceará, Dilma Roussef teve a maioria dos votos em 182 municípios. Ao todo, 3.522.225 votos foram para Dilma, enquanto Aécio conseguiu computar 1.067.096 votos.

Mapa bolsa
Em várias cidades, a petista ganhou com mais de 60% de diferença dos votos para o candidatp tucano. Em apenas dois municípios, Morrinhos e Parambú, a disputa entre os candidatos foi mais acirrada, com a presidente conseguindo pouco mais de 50% dos votos.

Além do Ceará, Dilma venceu nos estados de Alagoas, Amazonas, Amapá, Bahia, Maranhão, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Sergipe e no Tocantins. Os melhores resultados foram obtidos no Maranhão (78,76%), no Piauí (78,29%) e no Ceará (76,75%).

Aécio Neves ganhou a disputa no Distrito Federal e nos estados do Espirito Santo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Paraná, Rondônia, Roraima, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo. Os estados que mais deram vantagem ao tucano foram Santa Catarina (64,59%), São Paulo (64,31%) e Acre (63,86%, com resultado parcial). DN

Reeleita, Dilma destaca união e reforma política em primeiro discurso


A presidenta reeleita Dilma Rousseff falou em união e reformas em seu primeiro discurso após o resultado das urnas. Em Brasília, Dilma negou que o país esteja dividido e pediu paz entre todos. 

"Conclamo, sem exceção, todas as brasileiras e brasileiros a nos unirmos em favor de nossa pátria, de nosso país, do nosso povo.

Não creio que essas eleições tenham dividido o país. Entendo que elas tenham mobilizado ideias e emoções, às vezes contraditórias, mas movidas por um sentimento comum: a busca por um futuro melhor para o Brasil", disse.

A presidenta disse também que entendeu o recado das urnas sobre a necessidade de mudanças. "O caminho é muito claro. Algumas palavras e temas dominaram essa campanha. A palavra mais repetida, mais falada, foi mudança. O tema mais amplamente convocado foi reforma. Sei que estou sendo reconduzida para ser a presidenta que irá fazer as grandes mudanças que a sociedade precisa", disse.


Diário do nordeste

Cid Gomes diz que é preciso acabar com PMDB


O governador Cid Gomes (Pros) defendeu ontem necessidade de se pensar em novo partido para “combater” o PMDB. Classificando o partido como “mal que precisa ser combatido”, ele disse que irá ampliar conversas com o presidente do Pros, Eurípedes Júnior (SP), para avaliar possível formação de blocos ou fusões com outras legendas.

 Segundo Cid, a ideia é criar bancada de entre 50 a 60 deputados, com objetivo de se contrapor ao PMDB como força política no Congresso Nacional. “O PMDB é um mal terrível, que tem que ser combatido organizadamente, racionalmente e inteligentemente. É um ajuntamento de secções regionais que não tem nenhuma identidade, mas um interesse em comum: chantagear governos”, disse.

“É o que há de pior na política. O Brasil precisa se livrar do PMDB”, diz.


 (O Povo)

sábado, outubro 25, 2014

PESQUISA CNT/MDA mostra empate técnico entre Aécio e Dilma


Pesquisa CNT/MDA divulgada nesta manhã mostra o candidato à presidência do PSDB Aécio Neves numericamente à frente da candidata à reeleição Dilma Rousseff, mas em empate técnico. De acordo com o levantamento, o tucano teria hoje 50,3% das intenções de votos válidos contra 49,7% da candidata do PT à Presidência da República. A margem de erro é de 2,2 pontos porcentuais para mais ou para menos, com nível de confiança de 95%.

O levantamento mostra que o candidato tucano oscilou em alta e a candidata à reeleição oscilou para baixo. Pesquisa anterior CNT/MDA mostrava que o porcentual de votos validos para Aécio era de 49,5% contra 50,5% de Dilma

A intenção de voto espontânea também mostram os candidatos empatados tecnicamente com Aécio Neves levando 44,4% dos votos e Dilma 43,3% do total. Na pesquisa estimulada os números vão a 45,3% para o candidato tucano e 44,7% para a candidata à reeleição.

A sondagem mostra que 43,3% dos entrevistados não votaria em Dilma de jeito nenhum enquanto no caso de Aécio, 42,8% dos consultados não votariam nele de jeito nenhum. No levantamento anterior, 41% não votariam em Aécio e 40,7% não votariam em Dilma.

A pesquisa foi registrada no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) sob o número BR - 01199/2014 e realizada nos dias 23 e 24 de outubro com 2.002 pessoas entrevistadas em 137 municípios de 25 Unidades da Federação.


* Com informações do Estadão

BRASIL. Democracia seriamente ameaçada.

Opinião ‘Fora PT!’, de Marco Antonio Villa
Publicado na Folha da ultima quinta-feira



Estamos vivendo o processo eleitoral mais importante da história da República. Nesta eleição está em jogo um mandato de 12 anos. Caso o PT vença, estarão dadas as condições para a materialização do projeto criminoso de poder –expressão cunhada pelo ministro Celso de Mello no julgamento do mensalão.

Em contrapartida, poderemos pela primeira vez ter uma ruptura democrática –pelo voto– com a vitória da oposição. Isso não é pouco, especialmente em um país com a tradição autoritária que tem.

O PT não gosta da democracia. Nunca gostou. E os 12 anos no poder reforçaram seu autoritarismo. Hoje, o partido não sobrevive longe das benesses do Estado. Tem de sustentar milhares de militantes profissionais.
O socialismo marxista foi substituído pelo oportunismo, pela despolitização, pelo rebaixamento da política às práticas tradicionais do coronelismo. A socialização dos meios de produção se transformou no maior saque do Estado brasileiro em proveito do partido e de seus asseclas de maior ou menor graus.

Lula representa o que há de mais atrasado na política brasileira. Tem uma personalidade que oscila entre Mussum e Stálin. Ataca as elites –sem defini-las– e apoia José Sarney, Jader Barbalho e Renan Calheiros. Fala em poder popular e transfere bilhões de reais dos bancos públicos para empresários aventureiros. Fez de tudo para que esta eleição fosse a mais suja da história.

E conseguiu. Por meio do seu departamento de propaganda –especializado em destruir reputações–, triturou Marina Silva com a mais vil campanha de calúnias e mentiras de uma eleição presidencial.Dilma nada representa. É mera criatura sem vida própria. O que está em jogo é derrotar seu criador, Lula. Ele transformou o Estado em sua imagem e semelhança. Desmoralizou o Itamaraty ao apoiar terroristas e ditadores. Os bancos e as estatais foram transformadas em seções do partido. Nenhuma política pública foi adotada sem que fosse tirado proveito partidário. A estrutura estatal foi ampliada para tê-la sob controle, estando no poder ou não.

A derrota petista é a derrota de Lula. Será muito positiva para o PT, pois o partido poderá renovar sua direção e suas práticas longe daquele que sempre sufocou as discussões políticas, personalizou as divergências e expulsou lideranças emergentes. Mas, principalmente, quem vai ganhar será o Brasil porque o lulismo é um inimigo das liberdades e sonha com a ditadura.Daí a importância de votar em Aécio Neves. Hoje sua candidatura é muito maior do que aquela que deu início ao processo eleitoral.

Aécio representa aqueles que querem dar um basta às mazelas do PT. Representa o desejo de que a máquina governamental esteja a serviço do interesse público. Representa a disposição do país para voltar a crescer –de forma sustentável– e, então, enfrentar os graves problemas sociais. Representa a ética e a moralidade públicas que foram pisoteadas pelo petismo durante longos 12 anos.


Cabe aos democratas construir as condições para a vitória de Aécio. Não é tarefa fácil. Afinal, os marginais do poder –outra expressão utilizada no julgamento do mensalão– tudo farão para se manter no governo. Mas o país clama: fora PT!

PESQUISA ELEITORAL. Aécio lidera com 9 pontos de vantagem sobre Dilma na pesquisa ISTOÉ/Sensus

Pesquisa ISTOÉ/Sensus mostra que o candidato do PSDB chega à reta final da campanha com 54,6% das intenções de voto; a petista soma 45,4%.


Pesquisa ISTOÉ/Sensus realizada a partir da terça-feira 21 reafirma a liderança de Aécio Neves (PSDB) sobre a petista Dilma Rousseff nos últimos dias da disputa pela sucessão presidencial. Segundo o levantamento que entrevistou dois mil eleitores de 24 Estados, o tucano soma 54,6% dos votos válidos, contra 45,4% obtidos pela presidenta Dilma Rousseff. 

Uma diferença de 9,2 pontos percentuais, o que equivale a aproximadamente 12,8 milhões de votos. A pesquisa também constatou que a dois dias das eleições 11,9% do eleitorado ainda não decidiu em quem votar.

“Como no primeiro turno, deverá haver uma grande movimentação do eleitor no próprio dia da votação”, afirma Ricardo Guedes, diretor do Instituto Sensus. Se for considerado o número total de votos, a pesquisa indica que Aécio conta com o apoio de 48,1% do eleitorado e a candidata do PT, 40%.

De acordo com Guedes, a pesquisa realizada em cinco regiões do País e em 136 municípios revela que o índice de rejeição à candidatura de Dilma Rousseff se mantém bastante elevado – 44,2% dos eleitores afirmaram que não votariam na presidenta de forma alguma. A rejeição contra o tucano Aécio Neves é de 33,7%. 

Segundo o diretor do Sensus, a taxa de rejeição pode indicar a capacidade de crescimento de cada um dos candidatos. Quanto maior a rejeição, menor a possibilidade de crescimento. Outro indicador apurado pela pesquisa Istoé/Sensus diz respeito à votação espontânea, quando nenhum nome é apresentado para o entrevistado. Nessa situação, Aécio também está à frente de Dilma, embora a petista esteja ocupando a Presidência da República desde janeiro de 2011. O tucano é citado espontaneamente por 47,8% dos eleitores e a petista, por 39,4%; 0,2% citou outros nomes e 12,8% disseram estar indecisos ou dispostos a votar em branco.

Para conquistar os indecisos, as duas campanhas apostam as últimas fichas nos principais colégios eleitorais do País: São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro. O objetivo do PSDB é ampliar a vantagem obtida em São Paulo no primeiro turno e procurar virar o jogo em Minas e no Rio. Em São Paulo, Aécio intensificou a campanha de rua, com a participação constante do governador reeleito, Geraldo Alckmin, e do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. De acordo com as pesquisas realizadas pelo comando da campanha de Aécio, em Minas o tucano já estaria na frente de Dilma e a vantagem veio aumentando dia a dia na última semana. 

Processo semelhante ocorreu em Pernambuco, depois de Aécio receber o apoio explícito da família de Eduardo Campos e do governador eleito, Paulo Câmara. Os mesmos levantamentos indicam que no Rio a candidatura do senador mineiro vem crescendo, mas ainda não ultrapassou a presidenta. Para reverter esse quadro, Aécio aposta no apoio de lideranças locais, basicamente de Romário, senador eleito pelo PSB, que deverá acompanhá-lo nos últimos atos de campanha. Para consolidar a liderança, Aécio tem usado os programas no horário eleitoral gratuito para apresentar-se ao eleitor como o candidato da mudança contra o PT. Isso porque as pesquisas internas mostram que a maior parte do eleitor brasileiro se manifesta com o desejo de tirar o partido do governo.

No comando petista, embora não haja um consenso sobre qual a melhor opção a ser colocada em prática nos dois últimos dias de campanha, a ordem inicial é a de continuar a apostar na estratégia de desconstrução do adversário. Nas duas últimas semanas, o que se constatou é que, em vez de usar parlamentares eleitos para esse tipo de ação – como costumava fazer o partido em eleições passadas –, os petistas escalaram suas principais lideranças para a missão, inclusive o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a própria candidata. Os petistas apostam no problema da falta d’água para tirar votos de Aécio em São Paulo e numa maior presença de Dilma em Minas para procurar se manter à frente do tucano no Estado.


* Com informações da IstoÉ